Em ocasional digressão pelo You Tube, chamou-me a atenção a retórica advertência deste “comercial” ou anúncio:

“É possível contar um monte de mentiras, dizendo só a verdade”

Muita poucas pessoas conseguirão entender este ditado, ditado que é umas das grandes verdades sobretudo nos dias de hoje, esta verdade conseguiu atravessar todos os séculos da humanidade e nos dias de hoje tornou-se a forma mais fácil de  se manipular os seres viventes… Jamais! Em todos os tempos a manipulação de massas tem sido usada tão fortemente como nos dias de hoje… Com a verdade me enganas?

A manipulação pela palavra, assente em ardilosas técnicas de enganar o próximo, dificilmente sobreviveria através dos tempos, como tem sobrevivido, se se valesse apenas de falsidades. Porque falsidades há que, de tão óbvias, nunca escapariam à atenção da mais desprevenida vítima. Daí que, não poucas vezes, o manipulador recorra às chamadas meias-verdades. Reduz assim o risco de ser desmascarado e, mesmo no caso de vir a ser descoberto, fica sempre com maior margem para engendrar uma qualquer escapatória. Basta-lhe, por exemplo, embrulhar a real intenção dolosa em mero acidente de discurso: distracção, confusão interpretativa ou até mesmo o desculpável erro. Mas as meias-verdades deixam ainda metade da manipulação à mostra. O ideal será, por isso, manipular com a própria verdade, à custa da credulidade natural das potenciais vítimas.

O vídeo acima é um bom exemplo de como se pode mentir sem faltar à verdade, lembrando apenas os feitos positivos de quem foi, afinal, responsável pelos maiores crimes contra a Humanidade. E é essa possibilidade de uma manipulação com a própria verdade, de uma manipulação-limite, chamemos-lhe assim, que serve à risca o verdadeiro objectivo do anúncio, ao alertar para a necessidade de se tomar muito cuidado com a informação e o jornal que se lê. Preparado fica, então, o final para receber esta rara eloquência publicitária:

“Folha de S. Paulo: o jornal que mais se compra e que nunca se vende”

Anúncios