Esta semelhança é incontestável, ou seja, nasceu de uma virgem, então nasceu de uma virgem. Mas vamos prestar atenção nos dois deuses de mistérios que mais se assemelham com Jesus. Mitra e Horus.

Para se ter um nascimento virginal, obrigatoriamente, a mulher não pode ter tido qualquer tipo de relação sexual. Então como explicamos a união entre os deuses mãe e pai de Horus e Mitra?

Os pais destes dois deuses são também deuses.

Horus foi concebido por relação da deusa Isis-Meri com o deus Osíris;
Mitra foi concebido por relação da deusa Anahira com o deus Aúra-Masda.

Outro fato é que, o que se sabe sobre estes deuses são através de desenhos. Não se tem notícias de nada escrito pelos seguidores dos mesmos. Como então desenhar uma mulher virgem? A única diferença entre uma virgem e uma não-virgem é interna. Teriam seus seguidores desenhado as genitálias femininas com o hímem intacto? Óbvio que não. Então de onde tiraram a informação de que as suas mães eram virgens? Pelo que sabemos, não existe nada que afirme isso confiavelmente.

Jesus foi concebido pelo espírito, em forma espiritual, sem relação, dentro de uma humana. Espíritos não tem relações sexuais com pessoas vivas.

Jesus é diferenciado por um detalhe interessante. As escrituras dizem que Deus se fez carne na pessoa de Jesus. Ou seja, Deus se desfez de sua glória e tornou-se homem na pessoa de Jesus. Com os deuses de mistérios, nada disso acontece.
Deus nasceu como homem através de Jesus e morreu como homem. Os deuses de mistérios nasciam e ressuscitavam infinitas vezes, justamente para completar os períodos do ano ou de dias.

Os judeus copiaram tradições pagãs?

O que se crê hoje em dia, a exemplo do “magnânimo” Richard Dawkins, em seu famoso e ridículo livro “Deus, um delírio”, é que os evangelistas, na intenção de criar o mito Jesus, inseriram tradições religiosas pagãs na nova doutrina, para conseguir dar a Jesus um status de deus com um nascimento virginal, assim como outros deuses.

Suas afirmações, igualmente aos céticos de outros séculos atrás (os argumentos de Dawkins são um bocado velhos) estão baseadas em suposições totalmente infundadas e baseadas em puro preconceito.

Pois bem. Todos os evangelistas eram judeus, sem exceção. Sabemos, tanto pela história como pela bíblia que, os judeus, não tinham costumes ecumênicos. Aliás eles eram extremos neste ponto. A religião não admitia a adoração de outros deuses e muito menos agregar virtudes destes em sua religião. Após o exílio até a destruição do 2º templo, o judaísmo passou por uma “purificação” das idolatrias que haviam se erguido dentro de Israel. Jesus esteve presente neste período, justamente o mais rigoroso com relação a proibição de adoração a outros deuses.

É errado pensar que os evangelistas adotaram o nascimento virginal de Mitra, sendo que eles não toleravam o paganismo. Paulo era um judeu devoto e sabia que o nascimento virginal era ou não era real. Como sendo judeu, se fosse falso, não o admitiria, por ser uma adaptação do mitraísmo, porém, judeu devoto, reconheceu o nascimento virginal de Jesus, como atributo para que ele fosse Deus.

Não temos razões para aceitar que os judeus copiariam um atributo de um deus pagão à Jesus, sendo que eles não admitiam tal. Ou seja, para que aceitassem tal atributo, igual à de um deus pagão, é porque tal atributo aconteceu de fato.

Outro fato importante é a situação de um Messial esperada pelos judeus. Eles aguardavam um messias com descendência Davítica, e certamente, criam que este seria fruto de um relacionamento normal entre pai e mãe. Ora, a descendência real vinha de pai para filho, e não de mãe para filho. Assim, para os judeus, o Messias nasceria de forma comum, sem a necessidade de um nascimento milagroso. Em nada contribuiria para o cristianismo uma invenção como esta, se caso realmente não tivesse acontecido. Os pais da Igreja e os evangelistas estavam certos do nascimento virginal assexuado, por isso divulgaram esse fato.

Consepção por penetração

O historiador e erudito R. E. Brown ainda comenta: “Paralelos não judaicos têm sido encontrados nas religiões mundiais (O nascimento de Buda, de Krishna e do filho de Zoroastro), na mitologia greco-romana, nos nascimentos dos faraós (com o deus Amon-Rá agindo através do seu pai) e nos nascimentos sensacionais dos imperadores e filósofos (Augusto, Platão etc…). Mas esses ‘paralelos’ sempre envolvem um tipo de hieros gamos em que um macho divino, em forma humana ou outra, insemina uma mulher, seja através do ato sexual normal, seja por meio de uma forma substituta de penetração.
Eles não são realmente semelhantes à concepção virginal não-sexual que está no âmago das narrativas da infância de Jesus, concepção esta em que nenhum elemento ou deidade macho insemina Maria…
Portanto, nenhuma busca por paralelos nos tem dado explicação verdadeiramente satisfatória de como os primitivos cristãos chegaram à idéia de uma concepção virginal – a menos, é claro, que ela realmente tenha acontecido historicamente” (Revista Defesa da Fé, Nº 41).

Para uma explicação mais detalhada sobre o nascimento viginal, clique aqui.

Plágio Refutado

Com as informações acima, vemos que Jesus definitivamente não é um plágio no quesito “nascimento virginal”. Para ser o messias judaico, Jesus não precisava nascer de forma milagrosa. Isso Nào mudaria a opinião dos judeus se de fato não tivesse ocorrido.

Anúncios