Consciência
Consciência é a percepção/conhe- cimento de si, do contexto e da interação entre ambos, ou seja, é como o Homem Racional se vê, como vê o mundo, a vida, o próximo, os fatos e demais componentes do contexto e como os Homens Material e Espiritual o sentem. Em outras palavras, consciência é a percepção do contexto sob a ótica do instinto, da razão e da intuição ou, ainda, é a percepção do contexto sob a ótica da razão e da emoção. Ela direciona o que fazemos e como existimos, pois o que nos direciona não é a realidade absoluta dos fatos, mas a percepção que temos deles.

O ser humano tem o livre arbítrio porque tem consciência desenvolvida, pois é da percepção de si e do contexto que advém a possibilidade de duvidar e escolher, de ter participação ativa nos fatos, de ser proativo e não apenas reativo.

Consciente é a pessoa com a percepção equilibrada, ou seja, cuja percepção está compatível com a evolução de suas três facetas: Homem Material, Homem Racional e Homem Espiritual.

Considerando-se as necessidades, a consciência da pessoa tende a aumentar na medida que ela evolui do Ter, para o Ser e para o Amar. Com a evolução, tende a aumentar a sua percepção do próximo como alguém digno de atenção, cuidados e afeto, alguém com necessidades a serem satisfeitas;  além do que, ela passa a se sentir como parte da natureza e a perceber as necessidades desta. Com a evolução há, ainda, a percepção do sentido da vida e da beleza e perfeição deste mundo como criação. A consciência moral é fruto da união da consciência com o amor à vida em geral e induz o indivíduo a praticar o bem e evitar o mal.

Quanto maior a sabedoria, maior a capacidade de percepção; quanto maior a evolução, maior a capacidade de percepção. Entretanto, capacidade de percepção não é percepção e para a pessoa otimimizar sua consciência é preciso exercitá-la, ou seja, é preciso despertar a consciência. Para tanto, é preciso que a pessoa viva o presente, pois apenas vivenciando plenamente o presente a pessoa tem a percepção correta de si, do contexto e da interação entre ambos. A consciência do passado e das possibilidades futuras nos prepara para decidir melhor no presente, mas a pessoa não pode viver sempre focada no passado ou no futuro, pois agindo assim ela estará agindo influenciada pela sua expectativa de presente e, consequentemente, terá apenas uma consciência parcial do presente real. Os benefícios de se ter consciência do passado e das possibilidades futuras são inquestionáveis, mas, por outro lado, só existe vida consciente no presente e, portanto, é preciso otimizar o resultado, ou seja, é preciso buscar a medida certa de cada uma para cada momento, é preciso saber a cada momento quanto de passado, presente e futuro precisamos para obter o melhor resultado.

Com a consciência otimizada, a pessoa estará em condições de exercer todo o seu potencial como ser humano.
osentidodavida

Anúncios