322d3bce1e4f72b23bbfd73ab17d11c87cd0e1e0O homem em seus aspectos psicológico e social é formado basicamente em face das influências externas ou possui capacidade de influir de modo significativo em seu interior e no meio externo? Tratarei neste artigo sobre essa questão, que julgo de extrema importância, quando se avizinha tão rapidamente o tempo da Nova Era terrena.

Segundo o autor Ken Keyes em seu livro: “O Centésimo Macaco”, estudos com macacos selvagens japoneses, realizados por mais 30 anos, revelaram uma situação que prova a transmissão energética do pensamento. No ano de 1952, os pesquisadores deram batatas-doces sujas de areia aos macacos da ilha Koshima. Eles não comeram por que não gostaram; entretanto, uma macaca chamada Imo levou as batatas a um riacho e as lavou para comer. Ensinou essa descoberta aos outros macacos de sua tribo, os quais passaram a agir do mesmo jeito. A grande descoberta se deu então em 1958, quando determinado número de macaco já sabia e se utilizava o benefício da descoberta: colônias de macacos de outras ilhas começaram também a lavar as batatas. Os pesquisadores concluíram que, quando uma quantidade de indivíduos, que adquiriram determinado conhecimento, atinge um certo número ainda não definido cientificamente, esse novo conhecimento passa a ser transmitido de uma mente para outra em forma de energia e à distância.

Essa é mais uma experiência científica que vem provar a possibilidade de os pensamentos poderem ser sintonizados por outros por serem transmitidos energeticamente. Embora concorde que o pensamento de um grupo seja mais forte no processo de expansão energética, estou convencido, mesmo na esfera individual, que o pensamento sai da pessoa, atingindo o mundo externo em forma de energia.

Nessa linha de análise, vale referenciar o excelente Documentário “Quem somos nós?”, produzido por Willian Arntz e Betsy Chasse, com depoimentos de renomados cientistas sobre a Física Quântica.

A personagem que atua na história desenvolvida no Documentário passa por um processo de descobertas que a leva experienciar profunda transformação sobre a sua visão da vida e sua capacidade de se modificar a partir de nova conduta de pensamento. Enquanto isso, vários cientistas concedem depoimentos, manifestando suas idéias e descobertas importantes da Física Quântica que estão transmutando profundamente os conceitos até então conhecidos.

Os estudos a partir da Física Quântica visam, entre tantas possibilidades, o conhecimento mais amplo do homem sobre ele mesmo, sua origem e seu destino após a existência terrena. Do Documentário em destaque, retirei algumas reflexões dos cientistas entrevistados, referindo-me a seguir.

O homem acabou sendo colocado, como vítima, ou melhor, indefeso, do contexto externo. Nesse sentido, o materialismo e as religiões acabaram por tirar a capacidade de o ser humano agir efetivamente, porquanto, segundo as visões propostas pelo materialismo e pelas religiões, ao homem não cabe o poder decisório de sua vida. Contestando essa ótica equivocada, as experiências da Física Quântica têm colocado nas nossas mãos a responsabilidade de influir de modo significativo em nosso interior e também fora de nós. Com esse enfoco, cito uma passagem do Documentário:

“Estamos presos a certos preceitos sem saber disso. É um paradoxo. O materialismo moderno tira das pessoas a necessidade de se sentirem responsáveis por suas vidas, assim como a religião! Mas eu acho que se você levar a mecânica quântica a sério, verá que ela coloca a responsabilidade nas nossas mãos e não nos dá respostas reconfortantes…

A física quântica calcula apenas possibilidades. Em vez de pensarmos nas coisas como possibilidades, temos o hábito de pensar que os objetos que nos cercam existem sem a nossa contribuição, sem a nossa escolha… Você precisa banir essa forma de pensar e reconhecer que no mundo material, as cadeiras, as mesas, as salas, os tapetes – não são nada além de possíveis movimentos da consciência.

E eu estou escolhendo momentos nesses movimentos para manifestar minha experiência atual. É algo radical que precisamos compreender, mas é muito difícil, pois achamos que o mundo já existe independente da nossa experiência. Mas não é assim e a física quântica é bem clara.

O próprio Heisenberg, depois da descoberta da física quântica, disse que os átomos não são objetos, são tendências. Em vez de pensar em objetos, você deve pensar em possibilidades. Tudo é possibilidade subconscientemente!”

Todas as ocorrências do universo material são possibilidades, moldadas por nosso consciente/inconsciente, coexistido, cada qual, em vários lugares ao mesmo tempo. Nós escolhemos (inconscientemente) onde vê-las. Já está sendo documentada em laboratórios de experiências quânticas a localização de um mesmo objeto em vários lugares simultaneamente, inclusive com registros fotográficos.

A todo o momento as pessoas estão afetando inconscientemente a realidade externa. Se não o fazem consciente é porque não acreditam que possam realizá-lo. As pessoas formam pensamentos de intenção positiva, mas logo apagam, pois se convencem, quase sempre, tratar-se de simples tolice. Acabam dizendo ou pensando que não conseguem realizar. Mas,

Se você acreditar com todo o seu ser que pode andar sobre a água, isso acontecerá. É como pensamento positivo, que é um conceito maravilhoso. Mas geralmente temos uma névoa de pensamento positivo cobrindo uma enorme massa de pensamento negativo. Pensar positivo apenas disfarça o nosso pensamento negativo.

Vítimas da falta de crença em nós, em nosso potencial criador, e refém dos condicionamentos sociais e religiosos,

Ficamos presos na uniformidade da realidade, pois se ela é completa e eu sou insignificante, não posso alterá-la. Mas, se a realidade é minha possibilidade – possibilidade da própria consciência – aí sim, podemos alterá-la. No pensamento antigo, não podíamos mudar nada, pois não tínhamos papel na realidade. Ela já estava lá, feita de objetos que se moviam de acordo com certas leis. A matemática determinava como reagiriam em determinada situação. Nós não tínhamos papel algum.

A nova ciência quântica nos apresenta outras alternativas. Assim,

Na nova visão quântica, eu escolho a experiência: Dessa forma eu crio minha própria realidade (…) As pessoas continuam trabalhando, se aborrecendo, almoçando (…) Elas vão para casa e vivem a vida como se nada de especial estivesse acontecendo, pois é assim que se acostumaram; existe essa incrível mágica bem na sua frente e elas não vêem.

Os cientistas expressam no Documentário um alerta para nosso despertar, dizendo:

Por que continuamos recriando a mesma realidade? Por que continuamos tendo os mesmos relacionamentos? Por que continuamos tendo os mesmos empregos repetidamente? Tudo isso porque acreditamos não termos controle algum, achamos que o mundo externo é que nos influencia. A ciência moderna, entretanto, nos diz que o que acontece dentro de nós é o que vai criar o que acontece fora.

O Documentário “Quem somos nós?” termina mostrando a personagem principal desperta para um novo mundo, uma realidade criada a partir de sua influência mental consciente por ter descoberto seu grande potencial criador. De um jeito simples, o cientista Amit Goswami, através de seu depoimento no Documentário, define a Física Quântica como sendo a Física das possibilidades. E plena de possibilidades presentes e futuras, a personagem sucumbe a sua vida, até então condicionada por questões religiosas, psicológicas e sociais, e renasce para uma existência de participação criadora e livre, um ser de pensamento quântico.

Vale destacar, que foram mostradas, no Documentário, algumas experiências feitas pelo cientista japonês Masaru Emoto, que muito ajudaram a personagem a optar por vivenciar pensamentos criadores.

Dr. Masaru demonstrou, cientificamente, aquilo que já se sabia pelos estudos espiritualistas: que os sons, palavras, pensamentos e sentimentos influenciam as pessoas que os emitem e também as outras pessoas. Ficou demonstrado, nas experiências, que a estrutura molecular da água se altera em face dos pensamentos e sentimentos. A técnica usada por ele consiste na exposição da água a esses agentes. Depois, ela é congelada e os cristais formados são fotografados.

Foi colocada a água entre caixas sonoras que emitiam uma oração e, depois, a voz de Hitler. Após algum tempo, os dois recipientes com água foram congelados, fotografando-se os cristais que se formaram a partir das duas coletas, obtendo-se as seguintes imagens:
QUANTICA AGUA APÓS PASSAR POR AFIRMAÇÕES BUDISTA QUANTICA AGUA EXPOSTA A VOZ DE HITLER
Água exposta à meditação*****************************************Água exposta à voz de Hitle

Em outra experiência, a água de um recipiente foi exposta ao som da música de Bach e, em outra coleta, submetida ao ritmo Heavy Metal. Veja os resultados:
QUANTICA AGUA EXPOOSTA A MÚSICA DE BACH QUANTICA AGUA EXPOSTA A ROCK HEAVY METAL

Água exposta à música de Bach**********************Água exposta à música de Rock Heavy Metal.

Agora, o Dr. Emoto expôs também a água a sentimentos/pensamentos positivos e negativos. Os resultados foram os seguintes:

QUANTICA AGUA EXPOSTA A SENIMENTOS DE AMOR E DE ADMIRAÇÃO AGUA EXPOSTA A SENTIMENTOS NEGATIVOS
Água exposta à sentimentos de amor e de admiração.*************************************Água exposta à sentimentos negativos.

Com visto nas imagens obtidas pelo cientista, tanto as palavras, quanto os pensamentos e os sentimentos afetam a água. Considerando que somos compostos em cerca de 70% de água, fica evidente a influência que sofremos em virtude de nossos pensamentos e sentimentos, assim como afetamos igualmente as outras pessoas e, conseqüentemente, somos influenciadas pelos pensamentos e sentimentos delas. Incontestável é que tudo que existe, as pessoas, os animais e o planeta são influenciados pelo que pensamos e sentimos. As pessoas, mais que conseqüências do meio em que vivem, assumem papéis determinantes sobre tudo que existe, embora, na maioria dos casos de forma inconsciente. Do mesmo jeito que podemos ser vítimas dos nossos pensamentos e sentimentos negativos, da mesma maneira, o planeta Terra tem sido vítima de muitas energias negativas oriundas desses pensamentos e sentimentos, tão amplamente difundidos pelos meios de comunicação.
Veja este vídeo:

Então, é com grata alegria que vemos cientistas como Masaru Emoto e inúmeros outros ligados à Física Quântica falando sobre temática que os espiritualistas já sabiam de há muito; mas, que, por questões de barreiras religiosas, nem sempre era considerada pela maioria. O que mais se evidencia a partir da Física Quântica é que cientistas, até então voltados para os conceitos cartesianos, ampliaram o leque de pesquisa para áreas tão próximas das visões espiritualistas.

É comum o questionamento sobre o que seja concretamente a Física Quântica; afinal, parece ser um assunto distante da nossa realidade. Será que é mesmo? Almir Caldeira, em seu artigo, “Física Quântica: o que é e para que serve?”, trata da origem da Física Quântica, dizendo que:

Já faz cem anos que Planck teve de lançar mão de uma expressão inusitada para explicar os seus resultados da medida da intensidade da radiação emitida por um radiador ideal – o corpo negro – levando-o assim a estabelecer o valor de uma nova constante universal que ficou conhecida como a constante de Planck. A partir daí, e também em função de outras experiências que apresentavam resultados igualmente surpreendentes no contexto da mecânica de Newton e do eletromagnetismo de Maxwell, os pesquisadores do começo do século passado se viram obrigados a formular hipóteses revolucionárias que culminaram com a elaboração de uma nova física capaz de descrever os estranhos fenômenos que ocorriam na escala atômica; a mecânica quântica.

Muitos pensam que a Física Quântica é algo distante da nossa realidade do dia-a-dia, contudo, quando observamos com atenção, descobrimos que seus avanços tecnológicos estão disponíveis atualmente para a maioria das pessoas. O autor citado demonstra a presença da Física Quântica na vida moderna ao dizer em seu artigo que:

O leitor certamente se surpreenderia se disséssemos que sem a mecânica quântica não conheceríamos inúmeros objetos com os quais lidamos corriqueiramente hoje em dia. Só para se ter uma idéia podemos mencionar o nosso aparelho de CD, o controle remoto de nossas TVs, os aparelhos de ressonância magnética em hospitais ou até mesmo o micro-computador que ora usamos na elaboração deste artigo. Todos os dispositivos eletrônicos usados nos equipamentos da chamada high-tech só puderam ser projetados porque conhecemos a mecânica quântica. A título de informação, 30% do PIB americano é devido a estas tecnologias (…) Apesar da sua origem mais sutil, a radiação eletromagnética está também presente na nossa experiência diária. Dependendo da sua freqüência ela é conhecida como: onda de rádio, FM, radiação infravermelha, luz visível, raios-X e muito mais.

Ainda sobre a importância da Física Quântica na vida terrena atual, reproduzo parte do artigo “Passado, Presente e Futuro da Física Quântica: Digressões sobre a Importância da Ciência Básica”, escrito por Peter A.B. Schulz e Marcelo Knobel:

Ninguém que viveu no primeiro quarto do século XX poderia sequer desconfiar que estudos aparentemente tão longínquos da realidade, como espectros de corpo-negro, efeito fotoelétrico, espectros de emissão e absorção atômicos, e outros objetos de estudo daquele período, formariam a base de uma teoria, que seria responsável direta pelo futuro desenvolvimento não só do Laser, mas também de equipamentos eletrônicos, computadores e uma enorme quantidade de outras maravilhas que fazem parte de nosso cotidiano.

A Física Quântica, por suas visões discordantes da tradicional ciência e também de dogmas religiosas, tem sido alvo de críticas de diversos cientistas e religiosos; contudo, como nos diz Almir Caldeira:

“Muitos autores, por não se sentirem confortáveis com a chamada interpretação ortodoxa ou de Copenhagen da mecânica quântica, tentam criar teorias alternativas para substituí-la. Entretanto, cabe notar que, apesar da sua estranheza, a mecânica quântica não apresentou qualquer falha desde que foi elaborada na década de 20, o que não nos proporciona evidência experimental que aponte para onde buscar as questões capazes de derrubá-la.”

Além das diversas descobertas proporcionadas pela Física Quântica, vários cientistas desta nova ciência estudam a influencia de nossos pensamentos e sentimentos para fora de nós. Este é o caso do cientista Amit Goswami, um dos entrevistados no Documentário: “Quem somos nós?”. Este cientista indiano, radicado nos Estados Unidos (Professor de Física na Universidade do Oregon e doutor em residência no Instituto de Ciências Abstratas em Sausalito, CA), defende a tese (citada no artigo: “Física Quântica: Explicando o espírito” de Wander Rodrigues) de que:

“Algo só existe no plano material porque foi criado, primeiramente, em outros planos. Os corpos são criados a cada momento pelas escolhas que são feitas”.

Wander Rodrigues detalha mais sobre os pensamentos do cientista Amit Goswami com algumas de suas citações:

“Pode parecer meio radical para os materialistas. Mas Goswami está absolutamente convencido. A ponto de afirmar que a cura das doenças, de qualquer doença, é possível no plano da consciência. É o que ele chama de cura quântica. Através desse mecanismo, um câncer pode ser curado pelo pensamento. “Um câncer escondido no corpo não é ainda um fato concreto, material. Sendo assim, podemos curá-lo”. A idéia tem estreita relação com o princípio, por exemplo, da homeopatia ou dos florais de Bach. Para essas disciplinas, a doença aparece muito antes de se manifestar no corpo físico. A doença, como a entendemos, começaria no plano emocional, psicológico, nos corpos mais sutis do homem. Sendo assim, nada nos impediria de curá-la antes mesmo que se manifeste fisicamente. É como se existisse um corpo, que Goswami chama de vital, que formaria o mapa do corpo físico. “Os chakras são os lugares onde as formas se criam. A física quântica está dizendo que podemos confiar na medicina dos chakras. É aí que a medicina oriental e a ocidental se encontram.”

Aprendemos ao estudar o Reiki (clique aqui e baixe grátis o livro “Os milagres do Reiki” de Moacir Sader) que a tese de Goswami está plenamente correta, as doenças aparecem primeiro no corpo etéreo (ou etérico), réplica do corpo físico. As doenças originadas no corpo etéreo são oriundas dos corpos emocional e mental, manifestando-se depois, se não curadas a tempo, no corpo físico. Atualmente, muitos terapêuticos holísticos estão utilizando a foto Kirlian para detectar as doenças antes de sua manifestação e para verificar a plena cura das doenças tratadas.

Segundo fatos históricos, a foto Kirlian teria surgido em 1939 na cidade de Krasnodar, na ex-União Soviética, quando Semyon Davidovitch Kirlian construiu a primeira máquina de fotografia Kirlian no mundo. No entanto, sabe-se que a primeira máquina de eletrofotografia foi construída em 1912 no Brasil pelo padre gaúcho Landel de Moura. Segundo informação publicada no Site http://www.guardioesdaluz.com.br:

Como a máquina que ele {Padre Landel} havia inventado fotografava e revelava algo que, para a Igreja não coadunava muito com a sua doutrina, os planos originais e a própria máquina criada pelo Pe. Landel foram confiscados por ela e atualmente encontram-se em local “ignorado”.

Como funciona a fotografia kirlian?

Uma máquina de fotografia Kirlian ou eletrofotografia possui a condição de captar impressões sutis do nosso corpo etérico. O corpo etérico seria o mapa energético do nosso corpo físico. Nele estariam presentes todos os órgãos e sistemas presentes no nosso corpo material, só que aqui de forma energética, assim como os canais de meridianos. A máquina Kirlian é capaz de gerar uma voltagem extremamente alta (da ordem de alguns milhares), porém com uma amperagem baixa, causando com isso, à volta de qualquer corpo, o chamado efeito corona, que seria um halo luminoso visível de coloração azul esverdeado. Porém, quando este campo elétrico entra em contato com o campo eletromagnético do nosso corpo etérico, ele é alterado e consegue captar impressões sutis deste corpo, registrando cores e formas completamente diferentes das usualmente vistas no simples efeito corona (…) Este tipo de fotografia é conhecida como fotografia da aura, ou do campo energético ou bioelétrico (o corpo etérico).

O que é detectado com a eletrofotografia?

Pela análise de uma fotografia Kirlian, é possível diagnosticar uma série de problemas, antes mesmo de que eles cheguem a se manifestar fisicamente. Em nível da saúde, podem ser feitos diagnósticos de infecções, intoxicações, inflamações, processos degenerativos, prováveis distúrbios nos diversos órgãos e sistemas e até casos de câncer. (…) Quanto à análise da parte emocional e psicológica da pessoa, é possível diagnosticar casos de depressão, angústia, tristeza, raiva, ciúme, além de ser possível observar estados alterados de consciência, mediunidade ou para-normalidade e energias intrusas.

Através da foto de um dos dedos, embora possa ser de vários dedos ou até mesmo do corpo inteiro, ficam evidenciados, entre outros, os problemas já existentes e até as futuras doenças ainda não manifestadas no corpo físico; tudo isso é obtido a partir da analisa das cores reveladas. Assim:

“(…) quando surge uma coloração verde dentro da polpa dos dedos, há indícios que aquela pessoa possui tendência a fobias ou à síndrome do pânico. Fraturas de cor escura, também na polpa dos dedos, indicam câncer. Estados depressivos são vistos quando as linhas áuricas falham e surge uma abertura grande de um ou dos dois lados da foto.A paranormalidade de uma pessoa pode ser observada na forma de cor laranja distribuída por toda a polpa e aura do dedo ou na forma de pequenas meia luas nas extremidades superior e inferior dos dedos.”

Luz, amor e renascimento de nossa divindade.

Moacir Sader
Mestre de Reiki
Sistemas Usui, Karuna e da Chama Violeta

Anúncios